Projeto esvanecendo-se. Os rapazes, os homens, a guerra

Um mundo de mapas e guerras sempre foi traçado pela impetuosidade masculina, comunicação rudimentar, walk talk entre trincheiras, interconexão global, adivinhando objetivos semelhantes, voltando em busca de mais uísque, compartilhando sua reciprocidade evidente e seu corporativismo velado.
E é assim, em grupos, que os homens planejam seus atos aniquiladores.

2001, uma terça-feira. No ar do planeta, no ar nas TVs, a conturbada fumaça negra do evento catalisador. Na sexta-feira, na área externa da Maga, a festa seguia como antes, como sempre, avançando na noite clara. Alguns comentavam a notícia mais surpreendente de nossas vidas, considerando-se nossa idade média e o fato de todos ali serem nascidos muito depois dos ataques atômicos a Hiroshima e Nagasaki. Vocês viram? O que foi aquilo, hein? Os homens mais próximos, scotch à mão, um deles como se marcasse o tempo com seu cigarro que subia e descia da altura do queixo à altura do peito, sabiam tudo de guerra. Não vai alterar nada pra nós. Como você sabe? Não vai, porque eles não precisam de nossa ajuda, não precisam de nós, o nosso país nunca se envolve diretamente numa coisa dessas. Não sei não, sempre tem como envolver mais gente nisso.

…a especulação e a expectativa quanto à resposta dos americanos agitava a ansiedade geral, e todos tinham uma opinião muito certa sobre aquela confusão toda – foi assim que conheci o Alex, o Victor e o Guilherme…

Você é o marido da Marjorie, não é isso? O Victor acrescenta a seu charme um estilo francamente interiorano. É isso. E você, da Amanda? Isso aí, e já vi que ela sumiu de vista. O Alex é o mais bem-humorado, também o mais sensato. Prazer, o meu fardo é a Daniela, aquela de saia prateada ali, está vendo? Os outros dois puxaram a reação que eu, simpaticamente, imitei. Ahahah… Apertei a mão do Guilherme. Nem me fale, estou separado há um ano e meio, nem me fale naquela vaca, velho, agora ela quer tudo que eu tenho. Seus olhinhos atentos oscilantes rápidos não se demoram em fixar qualquer coisa, e ele parece conhecer uma técnica de nunca sorrir, de não dilatar os lábios para além de um traço de sarcasmo silencioso. A céu aberto, ao sul da piscina, perto das grandes plantas que escureciam os muros altos da residência admirável da Maga, que, mesmo incrustada em um condomínio bem vigiado, assemelhava-se a uma fortaleza, nós nos afastávamos por uns minutos da agitação intermitente, música vozes risos ruídos, que ocupava toda a enorme sala a varanda o tablado e a área gramada entre os quiosques. Que nada: o presidente vai a público, lamenta as vítimas, aí vem a nota oficial de pêsames, ele fala que nosso país está do lado deles, e toda aquela lengalenga de sempre. Guilherme Luís Romano. Grande coisa, só faltava dizer que está contra. É o óbvio, o de sempre, ele não tem saída. Victor Osório Campos. E vão pedir o quê? Ajuda das Forças Armadas? Dinheiro? Nossa participação é sempre mínima, quando não é totalmente nenhuma. Guilherme, sua voz outra vez. E agora, o que vocês acham que eles vão fazer? Qual vai ser a reação deles, no que vocês apostam? Alexandre Macedo. A reação? Sei lá, velho, nós não sabemos ainda, mas pode ter certeza que vai ser devastadora. O Guilherme era o único que fumava. Vão envolver o mundo inteiro nisso, pode apostar. Não vão não. É tudo consequência de políticas deles, nós não temos nada a ver com isso. Mas que santa ingenuidade, velho. Não importa que seja por causa das políticas deles, eles querem, e podem, envolver todo mundo nisso assim mesmo. Chegou correndo e rindo uma garota morena, cabelos compridos, bem maquiada, camiseta larga branca de mangas curtas e nó lateral, calça amarela justa, tênis azuis, esbarrando em nós, dando voltas por trás de um e de outro, brincando de estar fugindo de um sujeito magro de cabelos lisos, espinhas nas bochechas, passando por um adolescente tardio, se é que não fosse mesmo um adolescente agora. Socorro, ele quer me sequestrar! Aaaai… Escondeu-se atrás de mim, segurando-me os quadris, depois atrás do Guilherme, quase lhe tirando o equilíbrio, o que piorou o mau humor habitual dele, e disparou a correr como viera, pela lateral leste da piscina, seguida de perto pelo magrelo risonho que supostamente prestava-se a capturá-la viva. O Guilherme afastou o cigarro da boca. Quem é essa palhaça? O Alex a observou pelas costas enquanto ela se distanciava. Veio com o Márcio Belques, eu acho. Idiota, criançona… Essa gente não está nem aí pra porra nenhuma. Verdade, a maioria é assim. E enquanto isso a geopolítica mundial entra em outro parafuso, outro cenário de colapso anunciado. Não exagere, velho, a gente não sabe, vamos esperar pra ver no que vai dar. Quem sabe isso tudo não coloque o mundo em ordem outra vez, no seu norte. Não, mas não é questão de estar em ordem ou não estar em ordem, não é isso. Não estava em ordem até terça-feira passada? Essa conversa nossa é meio inútil, por falta de informações, entendem? Mas como inútil? É assim que se formam opiniões, que se acompanha a história… E achavam que o fim da Guerra Fria tinha resolvido tudo, que loucura. Quer saber? Eu tenho saudades da Guerra Fria – pelo pouco que eu sei dela. Bobagem, velho. A Guerra Fria transformou o mundo numa grande armadilha, coisas de traição e delação, espionagem, execuções. Agora a bronca é com o Oriente Médio, com os muçulmanos. Vamos pegar outro uisquinho lá dentro? Vamos. O Alex, quase se justificando, rodou o resto do gelo no copo, voltou-se também, a passos lentos. Mas não é que eu não queira curtir a festa, é que esse assunto realmente me interessa. Claro, me interessa também. Vamos lá então, pegar mais. O Afeganistão é só o começo, vocês vão ver. O Iraque já está na mira deles. O Guilherme, um pouco mais baixo que nós, expressão facial permanente de quem está pronto a ironizar algo, quase uma careta pré-instalada, boca só o bastante aberta para mostrar parte dos incisivos superiores, como um roedor que fareja, sugerindo desconfiança e astúcia. Eles que arrebentem o Iraque, que se foda o Iraque! Eu e os outros não o acompanhávamos nesses repentes exagerados e maldosos. O Alex fez um gesto com o braço que segurava o copo. Sua torcida não adianta nada, velho. Vocês vão ver, é só uma questão de tempo. Eles já queriam invadir o Iraque no tempo do Clinton, para desviar a atenção do escândalo sexual, lembra? Lembro. Tinha aquele pessoal carregando placas nos protestos: “Não matem os iraquianos por causa de Monica!”. É, eu lembro. A essa altura, enquanto a gente conversa, o Wolfowitz já deve ter tirado os mapas da gaveta. Só levar pra mesa do Bush. E o tal terrorista, deve estar fazendo seu caminho de rato pelos fins de mundo do Afeganistão. Não vão pegar nunca. Como é o nome dele mesmo? Olha a Maga, está vindo pra cá. Vamos voltar, nossas mulheres estão perdidas por aí. Ei, Maga, linda noite, hein? E você está linda, viu? Ah, esses quatro aí, andam fugindo da festa, estou de olho em vocês. Não seja injusta, nós vamos lá dentro pegar mais bebida, só isso. O Victor a conduziu pelo ombro, afetuoso, percorríamos a lateral oeste da piscina. Eu quero um single malt agora, você tem lá, na sua cristaleira? A Maga rendia-se facilmente às brincadeiras e ao sotaque forte do Victor, caipirão gentil. Nós sempre apoiávamos secretamente qualquer homem que conseguisse manipular uma mulher. Um single malt, caubói? Sério? Amenidades e o atávico entendimento entre os homens, caçadores grupais, sintonizados em frequências de mesma amplitude, um mundo de mapas e guerras sempre foi traçado pela impetuosidade masculina, comunicação rudimentar, walk talk entre trincheiras, interconexão global, adivinhando objetivos semelhantes, voltando em busca de mais uísque, compartilhando sua reciprocidade evidente e seu corporativismo velado. E é assim, em grupos, que os homens planejam seus atos aniquiladores. Esse encontro foi há alguns anos, na área externa da Maga, se é que já não disse isso. Em setembro.

Projeto esvanecendo-se

16. Pequena deusa simples – sequência

14. Matéria básica e um resto de vinho – anterior

 Guia de leitura

Imagem: Jackson Pollock. Número 27. 1950.

Comentar