Mosca/vidro

Albert Kotin. Sem título. 1955

Janela que se sonha vidro
(e sempre o que buscas, paisagem vã),

vidro que se sonha aberto,
ausência que se faz a mesma.
 
divisão invisível de nada
                   mosca vencida 
no afã de transpor
             a máscara do dia.
 
Alma: que se sonha mosca.
Vida: que se sonha vidro.

 

 Leia mais poemas e sobre poemas: Rapsódia em cinza

O recurso da relva

Imagem: Albert Kotin. Sem título. 1955.

Comentar